Profecias - Revelação - O Apocalípse

Autor: O apóstolo João.

Lugar: Possivelmente na ilha de Patmos, na costa ocidental da Ásia Menor, aonde João foi desterrado "por causa da Palavra de Deus e do testemunho de Jesus".

Data: Podemos dize que ainda é indeterminada, mas de acordo com a opinião tradicional, perto do ano 96 a.C.

Autoridade: É a revelação de Jesus dada por Deus 1:1

Métodos de Interpretação: De formas variadas e imaginativas são muito e cada vez mais freqüentes. Milhares e milhares de volumes têm sido escritos sobre o livro do Apocalipse. Existem quatro escolas principais que tratam deste tema.
1. A pretérita. Crê que as profecias de Apocalipse já se cumpriram.
2. A futurista. Sustenta que o livro contém um prognóstico da história universal.
3. A histórica. Vê os eventos do livro como descrições simbólicas da história da igreja, desde a época do Novo Testamento até o final dos tempos.
4. A eclética, ou idealista. Firma-se nos princípios espirituais do livro e não dogmatiza sobre detalhes das visões mais misteriosas.
Esta escola crê que há três classes de passagens no Apocalipse: as que são mui claras em seu ensino espiritual; as que são misteriosas, mas que contêm elementos da verdade e são instrutivas; as que são tão ocultas que é inútil, com nosso conhecimento atual, dar-lhes interpretações finais.

É provável que algumas profecias contenham dois elementos, o próximo e o distante. O primeiro se refere especialmente a eventos durante a época de João ou pouco depois; o último trata de acontecimentos dos tempos vindouros.

Particularidades:
O Apocalipse é o único livro da Bíblia que contém uma promessa especial aos leitores obedientes (1:3), e ao mesmo tempo pronuncia uma maldição sobre os que alterem seu conteúdo, 22:18-19.
Sete é o número dominante do livro. Sete candeeiros, igrejas, selos, anjos, trombetas, tronos, taças, espíritos, estrelas, etc.; e sete "não mais".
Os últimos capítulos de Apocalipse contêm um contraste assombroso com os primeiros capítulos de Gênesis. Gênesis fala da criação do sol, da entrada do pecado no mundo, da proclamação da maldição, do triunfo de Satanás, e da exclusão da "árvore da vida". Apocalipse fala de um lugar onde não haverá pecado nem maldição, onde Satanás será vencido, e onde haverá acesso à " árvore da vida". Mas fala também dos terríveis lugares onde o homem será lançado se não se converter a Deus, por meio de Jesus, seu Filho Unigênito - O Inferno e o Lago de Fogo.

Plano de Estudo: Ainda que este livro tenha sido com freqüência passado por alto ou simplesmente sido deixado de lado por muitos cristãos devido a seu caráter misterioso, com muitos símbolos e figuras de linguagem, mas há muitos pontos de vista a partir dos quais pode-se estudá-lo proveitosamente, sem a necessidade de dar-lhe interpretação dogmática ou arbitrária. E também é um livro totalmente necessário e proveitoso ao Cristão, não deve de forma alguma ser desprezado ou menos lido e estudado. Este livro é imprescindível e tem tudo a ver com o nosso futuro com Cristo na Nova Jerusalém.

Tema Sugerido: O conflito moral e espiritual de todas as épocas.

Figura Central: O Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, finalmente vitorioso sobre todos os poderes do mal. O Cordeiro é mencionado cerca de trinta vezes.

Sugestão: Que tal estudar sobre o livro do Apocalipse, as pessoas têm uma idéia errada a respeito deste livro devido a sua figura de linguagem, mas ele é o princípio e o fim de tudo. Estou providenciando uma série completa de estudos sobre esse livro... As Revelações do Apocalipse versículo por versículo. Veja estudo A Realidade do Inferno.

Sinopse:
O livro pode ser dividido numa série de visões, algumas das quais são parcial ou totalmente veladas: outras são comparativamente claras em seus ensinos. Não é possível dizer sempre onde termina uma visão e começa outra, mas, por conveniência, elas podem ser estudadas sob vários números, de acordo com o ponto de vista de cada uma.

Capítulo 1:
Introdução e promessa aos leitores obedientes, vs. 1-3.
Saudação de João e do Cristo glorificado, vs. 4-8.

I. Visão
Do Cristo glorificado, 9-16.
A ordem de escrever às sete igrejas, v. 19.
A mensagem às igrejas, Capítulos 2-3.

Capítulo 2:
A Éfeso, a igreja reincidente, persistente no serviço, estrita na disciplina, mas esfriando-se em seu amor, vs. 1-7.
A Esmirna, a igreja pobre, mas verdadeiramente rica, que enfrenta um período de perseguição, vs. 8-11.
A Pérgamo, a igreja num ambiente perverso, firme mas infectada com heresia, vs. 12-17.
A Tiatira, a igreja de boas obras, mas que tolerava uma falsa profetisa, vs. 18-29.

Capítulo 3:
A Sardes, a igreja moribunda, vs. 1-6.
A Filadélfia, a igreja fraca, mas fiel, vs. 7-13.
A Laodicéia, a igreja morna, satisfeita consigo mesma, que se orgulha da sua riqueza, mas que é miserável, pobre, cega e nua, vs. 14-22.
Pensamento saliente: promessas aos vencedores.

II Visão. Parcialmente velada

Capítulo 4:
A visão de Deus no céu sobre seu trono, o Criador do Universo recebendo a adoração dos seres viventes e dos vinte e quatro anciãos, vs. 1-11.

Capítulo 5:
O Cordeiro abre o livro dos sete selos, o cântico novo, e a adoração universal do Cordeiro. Interpretação sugerida: somente Cristo pode descobrir os mistérios divinos mas profundos.

Capítulo 6:
A abertura dos seis selos, (velada), vs. 1-17. Tem havido muitas interpretações diferentes; não vale a pena juntar outra. Uma lição clara, vs. 9-11, é que os crentes são provados pela demora divina.

III Visão. Parcialmente velada
Capítulo 7: vs. 1-8 Pensamento sugerido: Deus protege seu povo escolhido.

IV Visão

Capítulo 7:
Certezas reconfortantes.
A multidão incontável dos redimidos, vs. 9-10.
Os meios mediante os quais eles aparecem na presença de Deus, vs. 13-15.
Suas atividades e seu gozo eterno, vs. 15-17.

V Visão. Parcialmente velada

Capítulo 8:
Evento transcendental, a abertura do sétimo selo, causa silêncio no céu. v. 1.
Possível explicação.
Toda a música e as vozes dos anjos silenciaram porque durante o período do sétimo selo Cristo devia sair para a sua missão na terra.
Isto não é mera imaginação. O fim do tempo evidentemente se aproximava, 10:6. Se esta interpretação é correta, em 8:1 nos encontramos na fonte exata do plano divino de salvação, e veremos que os eventos focalizam até o filho varão do capítulo.
Em 8:3-4, a idéia parece ser que as orações dos santos subiram a Deus pedindo a vinda do reino messiânico.

Capítulo 9:
Logo continua uma porção velada da visão, o toque das seis trombetas, Capítulos 8 e 9, que segundo parece, anuncia os juízos vindouros.

Capítulos 10 e 11:
VI Visão. Parcialmente velada
A única coisa clara é que os eventos parecem apontar a grande consumação pelo fato do anjo poderoso anunciar que não haveria mais demora. (10:5-7), mas que as boas novas referidas pelos profetas estão prestes a ser cumpridas.
Entre tantas opiniões diferentes, é temerário sugerir uma interpretação do livrinho do capítulo 10 e das duas testemunhas do capítulo 11. Já que estes precedem imediatamente a visão do nascimento do filho varão do capítulo 12, eles podem referir-se ao período profético anterior à vinda de Cristo.
Talvez os capítulos 12-20 contenham visões parcialmente veladas relacionadas com o grande conflito messiânico.

VII Visão

Capítulos 12 e 13:
O grande evento da época, O nascimento do filho varão, Cristo, e a manifestação simultânea dos poderes satânicos organizados para destruí-lo.
A justificação deste ponto de vista é que durante a vida de Cristo na terra os poderes das trevas estavam em intensa atividade. Note a intenção de Herodes de destruir o menino Jesus, os numerosos casos de possessão satânica e a oposição maligna que resultou na crucificação de Cristo.
Não há aqui nenhuma interpretação detalhada dos mistérios, mas se chama a atenção para as armas espirituais com as quais seria ganha a vitória, vs. 12.11.

VIII Visão. Parcialmente velada

Capítulo 14: vs. 1-13.
Sem nenhuma interpretação forçada, é possível olhar este capítulo como um resumo profético do conflito vindouro entre o Cordeiro e seus inimigos.
Se este ponto de vista é aceito, nos primeiros cinco versículos os cento e quarenta e quatro mil representariam os crentes sobresselentes da primeira dispensação; os versículos 6-7 se refeririam ao começo de uma atividade missionária em todo o mundo; os versículos 8-11 seriam anúncios preliminares da vitória final, e os versículos 12-13 se refeririam à bem-aventurança dos crentes mortos.

IX Visão. Parcialmente velada

Capítulo 14:
A sega e a vindima, vs. 16-20.

X Visão. Parcialmente velada

Capítulo 15:
Os primeiros vencedores e seu cântico, vs. 1-4.
Os sete anjos e as taças de ouro, vs. 5-8.

Capítulo 16:
O derramamento das sete taças da ira, vs. 1-21.

XI Visão Velada

Capítulos 17 e 18:
A queda de Babilônia, a cidade prostituta, e dos inimigos do Cordeiro que a venceram.

XII Visão

Capítulo 19:
O coro de aleluia no céu, celebrando a vitória espiritual, vs. 1-6.
As bodas do Cordeiro, vs. 7-9.

XIII Visão
Cristo, o conquistador espiritual, sobre um cavalo branco, fere as nações com a espada do Espírito, 19:11-16.
Parcialmente velada. Cristo vence a besta, o falso profeta e a seus aliados.

XIV Visão. Parcialmente velada

Capítulo 20:
O aprisionamento de Satanás, vs. 1-3.
A primeira ressurreição, vs. 4-6.
Satanás é desamarrado; sua atividade maligna, vs. 7-9.
A queda de Satanás, a besta e o falso profeta, v. 10.
O juízo final, vs. 11-15.

XV Visão

Capítulos 21 e 22:
Os novos céus e a nova terra. A cidade Santa, um tipo da Igreja, a esposa do Cordeiro.

Capítulo 21: Suas características:
Origem celestial,21:2; radiante, v. 11; separada e protegida, v. 12; acessível, v. 13; alicerces firmes, v. 14; inabalável, v. 16; formosamente adornada, vs. 18-21; com um templo espiritual, v. 22; iluminada por Deus, vs. 23-25;glorificada, v. 26; livre de manchas, v. 27.

Capítulo 22: O paraíso restaurado.
Suas características distintivas: o rio da vida, v. 1; a árvore da vida, v. 2; sem maldição, v. 3; a visão beatífica da marca divina nos santos, v. 4; o dia eterno e o domínio dos santos, v. 5.
Os últimos ensinos: fiéis e verdadeiros, v. 6; ressaltam o iminente regresso do Senhor, v. 7; deve-se adorar somente a Deus, vs. 8-9; o caráter leva à permanência final, v. 11; a última promessa, v. 14; o último convite, v. 17; a última advertência, vs. 18-19.
Bênção e oração, v. 21.

E ali não haverá mais noite, e não necessitarão de luz de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os alumiará; e reinarão pelos séculos dos séculos.

"Apocalípse 22:5"

A Bíblia Sagrada Gênesis