Marie Curie 1867-1934

Marie Curie 1867-1934

Quando Marie Curie era perguntada sobre sua vida, respondia: "Minha vida é tal como uma pequena história monótona, simples. Eu nasci em Varsóvia de uma família de professores. Me casei com Pierre Curie e tive duas crianças. Realizei meu trabalho na França".

Física brilhante e investigadora incansável foi a primeira mulher a ganhar o Prêmio de Nobel, era sempre modesta sobre suas realizações e enfatizou que elas pertenciam a ciência e não a ela. "Esta mulher minúscula com seus decigrama de rádio virou o mundo de cabeça para baixo, enquanto mudando para sempre o modo como nós olhamos, entendemos, e usamos nosso ambiente".

(Mollie Keller) O começo Marie Curie nasceu em 1867 com o nome de Marya Sklodowska. Filha de Bronsitwa Boguska, uma pianista e professora e Ladislas Sklodowski, professor de matemática e física. Bronsitwa Sklodowski morreu de tuberculose quando Marya tinha apenas 10 anos. Desde pequena, Marya foi fascinada pelos equipamentos de física de seu pai e, como ele, era muito estudiosa.

Marya era uma estudante excelente, se formou na escola secundária como uma das melhores de sua classe quando tinha apenas 15 anos. Passou oito anos que trabalhando como tutor e governanta para juntar dinheiro para assistir a Sorbonne em Paris. Em seu tempo livre estudava matemáticas e físicas por sua própria conta e freqüentou uma universidade denominado universidade "flutuante", um programa conduzido por professores poloneses em desafio ao sistema educacional russo.

Marie Curie 1867-1934
Finalmente, em novembro de 1891, Marya deixou a Polônia e registrou-se em Sorbonne com a versão francesa de seu primeiro nome, "Marie".

Marie vivia sob péssimas condições que, por diversas ocasiões lhe fizeram ficar doente, em conseqüência da falta de sono e da má alimentação. Apesar disso, se formou em primeiro da classe na primavera de 1893. Um ano depois obteve o grau de mestre em matemática. Marie permanecia em Paris para administrar algumas experiências para uma sociedade industrial francesa. Achando as instalações do Sorbonne inadequado, Marie tentou encontrar um laboratório com espaço suficiente para seus equipamentos. A procura dela a conduziu a Pierre Curie, professor altamente aclamado na Escola de Física. Os dois cientistas compartilharam muitos das mesmas convicções e hábitos e foram imediatamente atraídos um pelo outro. Eles se casaram no dia 26 de julho de 1895, formando um dos casais mais importantes da história científica.

O marido e esposa ganham Prêmio Nobel Marie e Pierre Curie eram inseparáveis, trabalhavam lado a lado no laboratório durante o dia e estudavam juntos pela noite. Até mesmo a chegada da filha deles, Irene, em 1897 pouco interrompia suas rotinas. Porém, antes do nascimento de sua filha, Marie decidira procurar seu doutorado em físicas, e para sua tese escolheu focalizar na fonte dos raios misteriosos emitido por urânio, um fenômeno que cientista Henri Becquerel havia observado pela primeira vez em 1896.

Curie montou seu equipamento em um pequeno abrigo na Escola de Física. Apesar das condições primitivas (chão de sujo, umidade) dentro de apenas dois meses tinha feito duas importantíssimas descobertas: a intensidade dos raios estava em proporção direta à quantia de urânio na amostra, e nada fez para alterar o urânio afetado pelos raios (como combinar isto com outros elementos ou sujeitar isto a luz, calor, ou resfriado).

Marie Curie 1867-1934
Isto a levou a formular a teoria que os raios eram o resultado de algo que ocorria dentro do próprio átomo, uma propriedade chamada por ela de radioatividade. Testes subseqüentes com outros compostos revelaram níveis mais altos do que o esperado de radioatividade e a levaram a concluir que um elemento novo, mais poderoso teria que ser o responsável.

Curie começou a trabalhar neste problema durante a primavera de 1898, e antes do verão, Pierre tinha abandonado suas a próprias pesquisas ajudar a esposa. Limitando seus estudos a um único mineral, por ter emitido os raios mais fortes, desenvolveram um método refinando e trabalhoso que lhes exigia que processasse toneladas do mineral para obter uma pequena amostra do material radioativo. Afinal eles descobriram um elemento radioativo novo e o nomearam de polonium em honra a Polônia onde Marie havia nascido.

Eles conseguiram identificaram um elemento radioativo ainda mais forte que o polônio, que foi nomeado então de rádio (do latim radius - Luz). Embora tenham anunciado a descoberta para o mundo no dia 26 de dezembro de 1898, em 1902 de março puderam isolar bastante rádio para confirmar sua existência e assim Marie Curie ganhar seu doutorado (o primeiro premiado a uma mulher na Europa) e ambos o Curies em 1903 receberam o prêmio Nobel em física.

Com esta honra imediatamente veio a fama internacional - rompendo totalmente as vidas pessoais e profissionais dos dois cientistas durante algum tempo - e bastante dinheiro para aliviar alguns de seus fardos financeiros (haviam apoiado a pesquisa do rádio com o próprio dinheiro).

Depois nascimento de sua segunda filha, Véspera, em dezembro de 1904, Curie reuniu o marido no laboratório, trazendo a notícias que o governo francês queria recompensar o Curies criando uma nova matéria de física em Sorbonne para Pierre e construindo um novo laboratório para Marie. Mas antes que os acordos pudessem ser finalizados, Pierre é atropelado e morto ao passar distraidamente na frente de uma carruagem em uma rua de Paris. Marie continua sozinha Depois da morte de seu marido, Curie assume a cadeira de professora de físicas, no lugar do marido, em Sorbonne, sendo assim, a primeira mulher a tornar-se membro de uma universidade.

Marie Curie 1867-1934
Além de ensinar, Curie continuou também passando parte de seu tempo no laboratório, determinada em isolar polonium e rádio puro para remover qualquer dúvida que restasse sobre a existência dos dois novos elementos. O seu sucesso lhe fez render outro Prêmio Nobel, em 1911. Antes de 1914, Curie já organizava dois laboratórios, um em Varsóvia, sua cidade natal e outro em Sorbonne, conhecido como o Instituto de Rádio.

Incapaz continuar suas experiências depois da erupção da Primeira Guerra Mundial e ansiosa para ajudar na guerra, recebeu aprovação para operar máquinas de radiografia no campo de batalha de forma que os feridos poderiam receber tratamento imediato. Este era um exaustivo e perigoso trabalho, porém em de dois anos ela já tinha estabelecido duzentas unidades de Radiografia permanentes ao longo da França e da Bélgica. Depois que a guerra terminou, Curie fez campanha para levantar fundo para um hospital e um laboratório dedicado a radiologia, utilizando raios X e rádio para diagnosticar e tratar doenças.

Uma jornalista americana chamada Marie Meloney ouviu falar dos esforços de Curie e a convidou a visitar os Estados Unidos para fazer publicidade de seu projeto. Embora tivesse medo, Curie aceitou e navegou para a América em 1921.

Família de Marie Curie
A entusiasmada recepção que recebeu a deixou amedrontada e exausta, porém Curie voltou para França com bastante rádio, dinheiro, e equipamentos para equipar seu novo laboratório. Percebeu que se tornar uma celebridade lhe trazia poder para que suas causas tivessem maior impacto, Curie, então, começou a falar em reuniões e conferências ao longo do mundo, e gradualmente ficava mais confortável diante dos refletores. Achava que as pessoas estavam dispostas em ajudar em seu trabalho tendo, assim, bastante sucesso ao arrecadar fundos para o Instituto de Rádio.

Curie também emprestou seu nome a causas envolvidas com a paz mundial servindo no conselho da Liga de Nações e em seu comitê internacional em cooperação intelectual.

Como os anos vinte chegavam ao fim, Curie começou a quase constantemente sofrer de fadiga, vertigem, e uma febre de baixo-grau. Também sentia um zumbido contínuo nos ouvidos e uma perda gradual da visão que só veio a melhorar parcialmente após uma série de operações de catarata. Embora vários de seus colegas que haviam trabalhado com rádio estarem exibindo muitos dos mesmos sintomas e outros terem morrido em idades relativamente jovens de câncer, durante um longo período Curie não admitiu que o elemento que ela e seu marido haviam descoberto poderia ser, possivelmente, o causador dos males.

Eventualmente aceitou o fato de que rádio era perigoso, mas continuara trabalhando de qualquer maneira. Nos início dos anos 30, porém, piorara a saúde de Curie notoriamente, e os médicos finalmente haviam descoberto a causa: anemia perniciosa causada pelos efeitos cumulativos de exposição de radiação. As notícias foram mantidas longe do público bem com da própria Marie, e no dia 4 de julho de 1934, Marie vem a falecer, no Mountain Sanatorium, onde tinha ido para se recuperar.

Curie viveu o bastante para ver suas investigação nos "raios misteriosos" emitidos através de urânio, dar origem a uma disciplina científica completamente nova no campo da física atômica.

Nos anos desde sua descoberta, o rádio foi usado para diversos fins. Apesar de não ter sido envolvida diretamente em quaisquer destes desenvolvimentos, Marie Curie é não obstante uma parte de um todo, "como os navegantes do século XV que partiram para os continentes ocidentais e perspicazes de uma extensão que eles não puderam conceber" como Waldemar Kaempffert observou no New York Times. "Poucas pessoas contribuíram tanto para o bem-estar geral de gênero humano e para o avanço da ciência que a modesta mulher que o mundo conheceu como Senhora Curie", declarou outro repórter do New York Times.

"Suas descobertas, as honras subseqüentes que lhe foram dadas e as fortunas que poderiam ter pertencido a ela, não fizeram mudar seu modo de vida. Ela permaneceu uma trabalhadora na causa da ciência, preferindo seu laboratório como um lugar social ao sol".

Em abril 1995 a Senhora Curie e os restos de Pierre passaram a fazer parte do tesouro de Pantheon em Paris, França. De acordo com a imprensa livre de Detroit, "Pantheon é o memorial aos grandes homens da nação".

A Senhora Curie foi a primeiras mulheres a ser honrada de tal modo pelas realizações que ela fez no campo da física. Um novo livro intitulado Marie Curie: Uma Vida foi publicado e tornou públicas as cartas que Curie havia escrito ao longo de sua vida.

Um Cientista em seu laboratório não é um mero técnico: ele também é uma criança que confronta fenômenos naturais que o impressionam como se eles fossem contos de fadas ".

A ti clamo, ó Senhor; rocha minha, não emudeças para comigo; não suceda que, calando-te a meu respeito, eu me torne semelhante aos que descem à cova.

"Salmos 28:1"

Os Pensadores Os Pensadores - Nicolau Copérnico