Ataque Cardíaco

Ataque cardíaco exige socorro imediato e as manobras de ressuscitação
mesmo que aplicadas por um leigo, aumentam as chances de sobrevivência.

No último dia 26 de junho, milhares de pessoas em todo o mundo que acompanhavam Camarões x Colômbia pela Copa das Confederações viram mais que um jogo de futebol: assistiram, de camarote, à morte do jogador camaronês Marc-Vivien Foe.

O acontecimento chocou o mundo por Foe ser um atleta e ter apenas 28 anos e chocou ainda mais os médicos por causa do atendimento de emergência que o jogador recebeu no estádio.
Não é possível dizer que ele teria sido salvo, mas os profissionais ouvidos pela Folha foram unânimes em afirmar que, caso os procedimentos tivessem sido aplicados corretamente -como fazer manobras de ressuscitação de imediato, e não sete minutos depois, como ocorreu-, talvez Foe tivesse tido alguma chance.

Nos Estados Unidos, 450 mil pessoas morrem a cada ano por ataque cardíaco maciço, denominado também morte súbita. Na Europa, esse número sobe para 500 mil. No Brasil, dados de 1998 apontam que 159.256 pessoas sucumbem todo ano, o que significa 820 óbitos por dia ou uma morte a cada minuto. Cerca de 95% das mortes ocorrem antes de a vítima chegar a um pronto-socorro.

A morte súbita cardíaca, segundo Sergio Timerman, 45, presidente da Fundação Interamericana do Coração e membro do Comitê Mundial de Emergência, é uma interrupção entre os sistemas elétrico e mecânico do coração, que ocorre subitamente, 50% das vezes sem que a vítima tenha história prévia de problemas cardíacos. Não é o mesmo que infarto do miocárdio -necrose de parte do coração provocada por obstrução de artéria.

De acordo com ele, a morte súbita cardíaca, no mundo, mata mais que armas de fogo, acidentes de carro, Aids e câncer de próstata e de mama juntos.

Apesar do nome, a vítima de morte súbita, se socorrida rápida e corretamente, pode se recuperar. E essa possibilidade não depende só do sistema de emergência, que, em algumas cidades, como São Paulo, deixa a desejar. Os primeiros socorros (veja quadro), mesmo que executados por leigos, são fundamentais para que o final da história não seja o mais trágico. Se não socorrido, alguém com parada cardiorrespiratória -que pode ser decorrência da morte súbita ou de outros problemas- perde, a cada minuto, 10% da chance de sobreviver.

No entanto, cerca de 90% das mortes súbitas ocorrem por fibrilação ventricular (caos elétrico, o coração bate acelerada e desordenadamente), que pode ser corrigida somente com equipamento de choque, o chamado desfibrilador.

Por isso os médicos defendem que todos os lugares em que haja concentração de pessoas tenham o aparelho. Atualmente, já existem desfibriladores que até "falam" português, desenvolvidos para serem utilizados por leigos. O acesso público ao desfibrilador é uma tendência mundial já adotada por diversas cidades. Especialistas afirmam que, por ano, 50 mil vidas a mais poderiam ser salvas com um sistema de emergência mais efetivo, que contemple o acesso público ao desfibrilador, que custa cerca de US$ 5.000.00.

Um leigo que presencie um ataque cardíaco não tem como saber se o paciente está fibrilando, daí a importância de fazer os procedimentos de emergência mesmo sem haver um desfibrilador.
Foi a rapidez do socorro que "ressuscitou", como disseram os médicos à época, João Alberto Zani, 59, dono de uma indústria de móveis em Araras (SP). Às 9h30 de uma sexta de março, Zani teve uma parada cardíaca quando atendia ao telefone e foi levado a um posto dos bombeiros, a poucos minutos de sua fábrica.

O Corpo de Bombeiros de Araras faz parte do Samu (Serviço de Atendimento Municipal de Urgência) local, projeto piloto implantado há cerca de um ano e meio por iniciativa do cardiologista Agnaldo Pispico, 37, diretor do centro de emergência da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo).
O sistema permitiu que a sobrevida de casos de parada cardiorrespiratória tenha crescido de 1,65% para 10,85%. A meta, diz Pispico, é de 30% em cinco anos.
Zani não só sobreviveu como voltou ao batente 50 dias depois de ter saído do hospital

Veja Também: Ataque Cardíaco
Divulgue estas informações a tantas pessoas quanto possível. Você pode estar salvando muitas vidas!

Folha Uol-17/08/03

A maldição do Senhor habita na casa do ímpio, mas ele abençoa a habitação dos justos. Ele escarnece dos escarnecedores, mas dá graça aos humildes.

"Provérbios 3:33-34"

Utilidade Pública Blue Ray DVD - Raio Laser Azul